Amador Aguiar o predestinado

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn0

Amador Aguiar nasceu predestinado a se tornar um empreendedor e vitorioso realizador. Nasceu em terras e berço dos bandeirantes que descobriram o interior do Brasil, marcando os rumos da nacionalidade e deixando as marcas e caminhos a percorrer por corajosos desbravadores neste gigantesco País.
De origem humilde, e com inteligência, intuição, muito trabalho e dedicação conquistou os louros de suas grandes vitórias.
Como líder nato soube formar e arregimentar uma grande e valorosa equipe, com a qual realizou empreendimentos que se multiplicaram e continuam a se expandir com arrojo e pujança por toda a Nação.
O embrião se formou em Marília, de onde, da Casa Bancária Almeida & Companhia, transformada no Banco Brasileiro de Descontos, partiu para as grandes iniciativas e empreitadas.
Foi o primeiro banqueiro a acreditar e abrir créditos para os pequenos agricultores, especialmente para os colonizadores rurais japoneses, italianos e alemães, que durante o período da Guerra sofreram grandes restrições de crédito e financiamento rural. A confiança concedida aos colonos foi retribuída com a expansão vertiginosa do Banco, que aliada a outras importantes e inovadoras iniciativas, propiciou que o Bradesco se transformasse no maior Banco privado do País, posto que manteve por mais de 50 anos.
Dentre as iniciativas adotadas por Amador Aguiar, a mais meritória de importância social e cultural, sem dúvida, foi a criação da Fundação Bradesco, presente, hoje, em todos os Estados brasileiros e Distrito Federal, com 40 Escolas instaladas prioritariamente em regiões de acentuadas carências socioeconômicas, proporcionando, em seus 53 anos de existência, ensino formal gratuito e de qualidade a mais de 2,1 milhões de alunos, que somados a participantes de outras modalidades de cursos presenciais e à distância, superou 3 milhões de atendimentos, tornando a Fundação uma das maiores instituições de ensino privado do Brasil e do mundo.
O seu entusiasmo pela educação levou-o a instituir o ensino nas escolas da Fundação, já com a participação de crianças, como fundamentado em suas declarações:

“As crianças e os jovens aprenderão a pensar, se quiserem, como pensamos; aprenderão a trabalhar como trabalhamos. Nós queremos formar os homens que vão continuar nossa obra…”

e mais, esta oração cívica:

“Cremos na educação como fator decisivo do desenvolvimento e instrumento indispensável à realização pessoal do ser humano, através da sua integração na força do trabalho”.

Como verdadeiro bandeirante do século XX, Amador Aguiar concretizou o sonho de um homem empreendedor e de reconhecido espírito de liderança, que, juntamente com sua equipe de liderados, foi capaz de transformar o sonho engendrado na cidade de Marília, interior de São Paulo, fazendo de uma pequena agência bancária, um dos maiores conglomerados financeiros do País.
E foi com coragem e competência que esse homem de hábitos simples, introvertido, dedicado ao trabalho, com honradez, dignidade e amor ao próximo, conseguiu com a determinação inerente aos predestinados alcançar o ápice da sua realização.
Além do império financeiro que construiu, dedicou-se também, com extraordinário sucesso, em outras várias atividades de agricultura e pecuária, com propriedades em todo o País, notadamente em São Paulo, Paraná, Minas Gerais, Goiás e Pará, deixando marcado o exemplo de preservador, defensor do meio ambiente, como deixou assinalado em várias ocasiões, em especial no livro “Aves Brasileiras”, do ambientalista Johan Dalgas Frisch:
“É para os adolescentes de hoje — aos quais caberá em futuro próximo dirigir os destinos desta terra — que endereçamos nossas palavras. Compete a eles salvaguardar para seus sucessores as últimas reservas naturais do Continente. Confiamos que, ao galgarem posições de destaque na sociedade, saberão lutar melhor que nós para defender os derradeiros redutos da flora e fauna deste País”.
Foi condecorado pelo Governo Federal, com a Ordem do Mérito da Educação, no grau de Comendador, em reconhecimento à especial atenção que sempre dedicou à Fundação Bradesco, obra criada sob sua inspiração, cujos princípios se baseiam no desenvolvimento das potencialidades intelectuais, físicas e morais dos seus alunos. Na ocasião, a Professora Esther de Figueiredo Ferraz, então Ministra da Educação, ao entregar-lhe o laurel, enfatizou:
“Um homem que vê na juventude as maiores reservas da Nação e tem os olhos sempre voltados para a educação do povo brasileiro”.
Avesso à política, recusou-se a participar dos ministérios do Presidente Getulio Vargas, em 1952, e do Presidente João Goulart, na formação do governo parlamentarista, e posteriormente em 1963, na volta do presidencialismo, sob a alegação de não poder se afastar da direção do Bradesco.
Entretanto, levado por circunstâncias políticas e dificuldades financeiras na Prefeitura do Município de São Paulo, acedeu exercer temporariamente a Secretaria das Finanças, a fim de dar, com a respeitabilidade do seu nome, respaldo público e moral à situação da Prefeitura.
Indicado em 1963 como candidato a Vice-Governador do Estado de São Paulo na companhia de Ademar de Barros, recusou, indicando como candidato o Sr. Laudo Natel, que assumiu o governo de São Paulo, com a cassação de Ademar de Barros em 6 de junho de 1966.
Vale recordar, para reflexão, uma mensagem expedida em 1982, num momento em que pairavam dificuldades para a Nação:

“Esta despretensiosa mensagem é destinada aos nossos incomparáveis companheiros de trabalho e extensiva aos nossos acionistas e clientes. Vamos ajudar o Brasil a superar suas atuais dificuldades, trabalhando mais e melhor.
Esta é a única providência, realmente válida, e que está ao alcance de qualquer pessoa.
…devemos cumprir a nossa parte nessa tarefa, com destacada atuação, dentro do nosso lema. ‘Só o trabalho pode produzir riquezas’, com entusiasmo, otimismo, sem esmorecimento;
…somos úteis à nossa Pátria, magnificamente entrosados, conscientemente disciplinados, de inigualável força de vontade, e sabemos, temos a certeza de que as palavras ‘difícil’ e ‘impossível’, quando empregadas no sentido da defesa da boa moral e do bem material e coletivo, simplesmente não existem no nosso dicionário.”

Amador Aguiar, verdadeiro bandeirante do século XX, revelou em sua proveitosa vida e gestão à frente da direção da Organização Bradesco, com abrangente visão dos negócios, amor ao próximo e à Pátria, o que deixou perpetuado nas obras que criou e com tenacidade desenvolveu. As inúmeras e vitoriosas iniciativas que implementou marcaram indelével a sua existência e resistirão ao tempo, e certamente, se desdobrarão pelos seus sucessores em vastos, significativos e continuados ensinamentos.
Em 12 de fevereiro de 1990, é exaltado pelos seus devotados companheiros, com o Título Honorífico de Presidente Emérito da Organização Bradesco, em reconhecimento aos grandes e vitoriosos resultados que proporcionou, e a tudo que fez por ela e pela comunidade, com seus magníficos exemplos de trabalho, entusiasmo, talento e honradez, sintetizados no lema da casa: “Só o Trabalho pode Produzir Riquezas”.
Nessa mesma data, na Assembleia Geral Ordinária, o bravo guerreiro fatigado de tantos combates e de vitoriosas lutas, certo e consciente de ter formado uma boa equipe para continuar engrandecendo a Organização, dirige mensagem indicando o Sr. Lázaro de Mello Brandão para sucedê-lo no cargo de Presidente do Conselho de Administração da Organização Bradesco, com o seguinte teor:

“E nesta oportunidade, convencido de que será também a vontade soberana dos nossos acionistas e da unanimidade dos nossos companheiros de trabalho, não poderia deixar de manifestar uma vez mais o meu desejo, já por todos conhecido, de que a Presidência desse Conselho venha a ser ocupada pelo caríssimo companheiro Lázaro de Mello Brandão.”

A escolha do seu fiel companheiro, Sr. Lázaro de Mello Brandão, para sucedê-lo na presidência do Conselho de Administração, cuja posse ocorreu nesse mesmo dia, revelou-se uma decisão acertada com os significativos progressos alcançados em todos os setores da Instituição, que também contaram com o apoio incondicional de novos companheiros, indicados pelo Sr. Brandão, oriundos dos quadros formados na própria casa, que seguindo o exemplo de dedicação e espírito de equipe, deixado por Amador Aguiar, ajudaram a conduzir por caminhos seguros os destinos dessa grande Organização chamada Bradesco.
Em oportuna e devida homenagem, “post-mortem”, a Confraria Dom Quixote e a Revista Justiça & Cidadania reverenciarão a memória dessa importante personalidade que foi Amador Aguiar, com a inauguração na sede do Bradesco, na Cidade de Deus, em Osasco, São Paulo, da estátua de Dom Quixote de La Mancha, símbolo do idealismo puro, da coragem, destemor, renúncia, ética, moralidade, amor, perseverança e determinação, dogmas que encontram similitude com os sonhos, intenções, propósitos, ações que levaram esse humilde bandeirante a tornar-se um gigante, pelas obras que deixou implantadas nas mãos dos seus fiéis seguidores, como exemplos a serem seguidos e permanentemente continuados.
A grandeza dessa fulgurante personalidade, que se configura como um dos mais importantes vultos brasileiros, que vivenciaram no século passado, deixando continuados exemplos e rastros de grandeza educacional, de cultura, desenvolvimento e progresso, tem o seu nome assegurado no panteon da história do Brasil.

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn0
Cor da Pele (skin)
Opções de layout
Layout patterns
Imagens de layout em caixa
header topbar
header color
header position
X