Entrar

Esqueci minha senha

Cadastro


Crime e Castigo

Compartilhar com

(Editorial originalmente publicado na edição 14, 04/2001)
 
“Quebra do decoro é tudo aquilo que desabona a conduta política e desmoraliza o Congresso e mancha a imagem da instituição.”Senador Jefferson Peres
 
Está provado o crime; tem que se aplicar o castigo.
 
Os delinqüentes – Senadores da República Antonio Carlos Magalhães e José Roberto Arruda —, comprovadamente, perante a assistência de milhões de telespectadores, fraudaram a Constituição Federal, levando os cidadãos que hoje conhecem os fatos ao assombro da indignidade praticada em correlação com a canalhice, o despudor e a falta de caráter dos senadores confessos.
 
A desfaçatez do Senador Arruda, invocando o perdão contra a safadeza perpetrada  — repetindo o dito por DAVI, em resposta à repreensão do profeta NATÃO —, não convence nem isenta, ao contrário, mostra o descaramento e o sentido da impunidade que o malfeitor se acha imbuído e se julga protegido.
 
As condutas dos dois réprobos Senadores, se assemelham pela vilania e se coadunam pela hipocrisia ao exercício imundo dos fariseus do templo, expulsos à chibata por JESUS CRISTO.
 
A Nação, neste momento de espanto e estarrecimento, confia e espera que os Senadores da República que irão julgar os confessos e desmoralizados indigitados, pautem suas ações e atitudes com a serenidade de Magistrado – desprezando o procedimento e exemplo de Pôncio Pilatos, e face a gravidade dos atos praticados, em defesa da dignidade e postura do Congresso Nacional, com o fito de sanear o convívio parlamentar na Casa Maior do Poder Legislativo, promovam a cassação dos assumidos culpados.
 
Entretanto, se não o fizerem por nítido espírito corporativista, preferível será que os Senadores Bernardo Cabral, Pedro Simon, Jefferson Peres, Heloísa Helena, Saturnino Braga, Roberto Requião, Paulo Hartung e os demais dignos Senadores que querem o respeito e a consideração da população eleitoral pátria, apresentem Emenda Constitucional, excluindo do Poder Legislativo o Senado da República, como profilaxia contra a estagnação e putrefação desse parlamento.