Entrar

Esqueci minha senha

Cadastro


13
dez2012

Lançada Escola Nacional de Mediação e Conciliação (Enam)

Compartilhar com
A Escola Nacional de Mediação e Conciliação (Enam), uma parceria do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), a Secretaria de Reforma do Judiciário do Ministério da Justiça e a Escola Nacional de Formação e Aperfeiçoamento de Magistrados (Enfam), pretende capacitar – dentre operadores do Direito, servidores, magistrados, cidadãos e professores de Direito – mais de 20 mil instrutores, conciliadores e mediadores para a resolução de conflitos de maneira consensual e autocompositiva dentro dos próximos dois anos. Um modelo considerado mais sustentável, rápidoe barato para o Judiciário, mas ainda não absorvido pela Justiça brasileira, onde a cultura do litígio é preponderante.

“Ainda temos graves problemas em nosso sistema de Justiça. Entre eles, a tendência imensa para o litígio, baseada em uma cultura equivocada de Justiça. Nossa intenção é permitir que, através das novas reflexões, essa realidade seja modificada. A realidade só muda quando alteramos a cultura. É isso o que estamos propondo aqui”, disse nesta quarta-feira (12/12) o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, ao lançar oficialmente a Enam.

“Hoje, tramitam na Justiça 90 milhões de processos; a conciliação é a solução para humanizar o processo de resolução de disputas e, ao mesmo tempo, dar celeridade aos processos já existente na medida em que se reduz o ingresso de tantas demandas”, afirmou o coordenador do Movimento para Conciliação do CNJ, conselheiro José Roberto Neves Amorim.

Para a diretora geral da Escola Nacional de Formação e Aperfeiçoamento de Magistrados (Enfam), ministra Eliana Calmon, do Superior Tribunal de Justiça (STJ), a criação da Enam revela a importância que o governo começa a dar ao treinamento em técnicas conciliativas. “É importante ver isso acontecendo; nos mostra que além da própria Justiça, um outro poder percebe e está empenhado nessa luta. Não estamos em um protagonismo isolado na busca pela paz social”, disse.

Segundo o secretário da Reforma do Judiciário, Flávio Caetano, a meta da Enam é capacitar nos próximos dois anos 21 mil 250 operadores do Direito, em 15 cursos – presenciais,  semipresenciais e à distância. “Nossa luta é sair da cultura da judicialização do litígio, para a cultura do acordo, da negociação, da paz”, afirmou.

Escolas – Durante a cerimônia de lançamento da Enam, o presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Ophir Cavalcante, reforçou a importância da capacitação em técnicas em mediação e conciliação na formação dos advogados e disse que pretende incluir essa matéria nos próximos exames da Ordem.  “Se isso realmente ocorrer, teremos um incentivo forte para que as universidades comecem, de fato, a incluir essa matéria em suas grades curriculares”, disse o professor da Universidade de São Paulo (USP) Kazuo Watanabe, desembargador aposentado do Tribunal de Justiça de São Paulo e membro consultivo da Enam.

Também estiveram presentes ao lançamento da Enam os conselheiros José Guilherme Vasi Werner, Lúcio Munhoz e Emmanoel Campelo, assim como o procurador-geral da República, Roberto Gurgel, o presidente do STJ, ministro Félix Fischer, o Advogado Geral da União Luiz Inácio Adams e os Ministros do STJ Marco Aurélio Buzzi e Fátima Nancy Andrighi.

Regina Bandeira
Agência CNJ de Notícias