Edição

As lições de Ney Prado

9 de julho de 2019

Compartilhe:

Satisfeito com uma vida tão bem vivida, cheia de amizades e realizações, Ney Prado partiu poucos dias antes de mais um seminário que havia nos preparado com o primor de sempre, deixando-nos órfãos de sua verve, seu conhecimento e seu bom humor. Consolou saber que ele havia recebido flores em vida – não tantas quanto as merecia, claro – pois recentemente recebera justa homenagem dos amigos da Academia Internacional de Direito e Economia.

Consolou também ouvir as estórias contadas por outro amigo querido, o Professor Ives Gandra Martins, uma das quais tomo a liberdade de compartilhar com os leitores da Revista JC para mostrar a envergadura de Ney Prado, um dos homens mais importantes da moderna história do País.

Prado foi secretário-geral da Comissão Afonso Arinos, composta por cinquenta “notáveis” e juristas, reunidos para escrever o anteprojeto da Constituição. Era tão grande a sede de direitos após todos aqueles anos sob regime de exceção, que parte daqueles intelectuais quis impregnar o texto constitucional com ideais que, àquela altura, tinham muito mais relação com Cuba do que com o Brasil. Quando percebeu que não havia outro remédio para impedir aquela aventura, pois o próprio Afonso Arinos dava guarida aos membros que pensavam daquele jeito, decidiu romper.

Escreveu à Revista Manchete, que na época tinha grande repercussão, artigo no qual expôs todos os pontos que representavam a cubanização do Brasil e pelos quais o anteprojeto não podia prosperar – texto republicado posteriormente no livro de sua autoria “Os notáveis erros dos notáveis”. Como nos contou o Professor Ives, foi um “exocet” contra a Comissão Afonso Arinos. Devidamente alertado, o então Presidente José Sarney arquivou o projeto e a Assembleia Nacional Constituinte teve que começar o trabalho do zero, porém com composição muito mais ampla e democrática.

Pessoalmente, Ney Prado era também uma grande figura, com luz própria, que nunca perdia o bom humor. Sempre dizia, contando casos, que a modéstia é a virtude de quem não tem outra. Muitas vezes falava de si, nunca mal, pois não tinha falsa modéstia. Quando o elogiavam, dizia “infelizmente, não posso negar, vocês têm razão”. E ele tinha mesmo.

Quando, com o devido distanciamento, for contada a história deste período turbulento do Brasil, vai se entender a importância política, acadêmica e humana desta grande personalidade.

Vida longa ao legado de Ney Prado!

Nesta edição – Destacamos como matéria de capa a entrevista com o presidente do TJRJ, Desembargador Cláudio de Mello Tavares, que fala sobre os primeiros meses de gestão e o desafio de liderar um dos tribunais mais produtivos do Brasil, sem se furtar a dar sua opinião sobre temas sensíveis que estão na pauta do Judiciário. A edição 227 traz também o memorável voto da Ministra Rosa Weber no julgamento do Supremo que vedou o trabalho insalubre de grávidas e lactantes. Leia ainda a entrevista com o presidente do TST, Desembargador Brito Pereira, sobre a bem sucedida campanha interna da Justiça do Trabalho para a prevenir e enfrentar o assédio moral.

A JC de julho traz ainda as coberturas do seminário sobre a reforma da Previdência – no qual sentimos tanto a ausência de Ney Prado – que vai legar importantes contribuições à tramitação da PEC no Congresso; do evento internacional sobre o perfil da “magistratura que queremos” para enfrentar os atuais desafios da democracia; e da Semana Nacional de Conciliação Trabalhista, que envolveu os TRTs de todos os estados. Fique também por dentro tanto de como será o futuro digital dos bancos, entrevisto na cobertura de Congresso realizado na conectada São Paulo; quanto das novas tendências do Direito Agrário, registradas em seminário que aconteceu no Oeste da Bahia, uma das regiões agrícolas mais promissoras do País.

Como sempre antes em nossos 20 anos de circulação, por meio dos artigos, entrevistas e reportagens, a Revista Justiça & Cidadania reflete o brilho de uma constelação de grandes nomes do Direito brasileiro. Além daqueles já anteriormente citados, esta edição tem a honra de publicar pinceladas do pensamento de Alexandre Chini, Bryant Garth, Lênio Streck, Luís Felipe Salomão, Luiz Fux e muitos outros.

Boa leitura!

Assine nossa newsletter e receba a nossa revista digital, em primeira mão, no seu e-mail

Voltar ao topo