Entrar

Esqueci minha senha

Cadastro


Conferência Nacional dos Advogados reúne público recorde no Rio de Janeiro

Edição nº

171

24 de novembro de 2014

Conferência Nacional dos Advogados reúne público recorde no Rio de Janeiro

Novo governo: novas esperanças

Com a reeleição da Presidenta Dilma Rousseff, a Nação reafirmou sua preferência ao buscar, esperançosa, que a gestão renovada deste governo traga dias melhores e mais auspiciosos, como prometido às escâncaras e divulgado pela candidata.

As discussões havidas no decorrer da disputa entre os candidatos – algumas despropositadas e até imperti­nentes –, serviram, para mostrar aos eleitores o quanto falta, na administração pública, de efetivo trabalho e realizações para gerir melhor e mais racionalmente as obras públicas; o quanto é preciso alcançar para o gasto do erário ser devido e parcimonioso; a necessidade de melhoria real da educação fundamental, e dos ensinos médio, técnico e universitário; a urgência da implantação imediata, efetiva e rigorosa de atendimento condigno na saúde pública, em especial à população humilde que padece e sofre com a falta de assistências médica, hospitalar e de medicamentos; e também as aflitivas crises da água, da energia elétrica e da absoluta falta do saneamento básico.

Os agradecimentos proferidos e proclamados pela presidenta aos seus eleitores ao final da apuração e após reconhecida a eleição trouxeram, além dos compromissos e afirmações, os propósitos de prosseguir na busca do diálogo com o chamamento da união e dos entendimentos democráticos e da conciliação política.

A peremptória afirmativa e pregação da reforma política com o uso do plebiscito por meio de uma consulta popular, como o primeiro e mais importante compromisso, reafirma o propósito do diálogo para realizar as mudanças que a sociedade brasileira exige.

Do pronunciamento da Presidenta Dilma, extraímos alguns trechos que reafirmam princípios que, se levados em conta no novo mandato, se tornarão alvissareiras de esperanças para o porvir do novo governo:

Quero ser uma presidenta muito melhor do que fui até agora. Quero ser uma pessoa muito melhor. Esse sentimento de superação não deve apenas impulsionar o governo e a minha pessoa, mas toda a Nação. (...) Algumas palavras e temas dominaram esta campanha. A palavra mais repetida, mais dita, mais falada, mais dominante, foi mudança. O tema mais amplamente evocado foi reforma. Sei que estou sendo reconduzida à Presidência para fazer as grandes mudanças que a sociedade exige. Direi sim a esse sentimento que vem do mais profundo da alma brasileira. A minha disposição mais profunda é liderar da forma mais pacífica e democrática este momento transformador. Estou disposta a abrir espaço de diálogo com todos os setores da sociedade para encontrar as soluções mais rápidas para os nossos problemas. (...) Vamos dar mais impulso à atividade econômica em todos os setores, em especial no setor industrial. Quero a parceria de todos os segmentos, setores, áreas produtivas e financeiras, nessa tarefa que é responsabilidade de cada um de nós brasileiros e brasileiras. (...) Seguirei combatendo com rigor a inflação e avançando no terreno da responsabilidade fiscal. Vou estimular o mais rápido possível o diálogo e a parceria com todas as forças produtivas do País. (...) Terei um compromisso rigoroso com o combate à corrupção e com a proposição de mudanças na legislação atual para acabar com a impunidade, que é protetora da corrupção. Ao longo da campanha, anunciei medidas que serão importantes para a sociedade e para o País enfrentar a corrupção e acabar com a impunidade. (...) O Brasil, esse nosso querido país, saiu maior nesta disputa. Eu sei da responsabilidade que pesa sobre meus ombros. Vamos continuar a construir um país mais moderno, mais produtivo, um país de solidariedade e das oportunidades. O Brasil que valoriza o trabalho e a energia empreendedora. O Brasil que cuida das pessoas sem olhar especial para as mulheres, os negros e os jovens, O Brasil que cada vez é mais voltado para a educação, para a cultura, para a ciência e para a inovação. Vamos nos dar as mãos e avançar nesta caminhada que vai nos ajudar a construir o presente e o futuro. O carinho, o afeto, o amor e o apoio que recebi nesta campanha me dão energia para seguir em frente com muito mais dedicação. (...) Hoje estou muito mais forte, mais serena e mais madura para a tarefa que vocês me delegaram. Brasil, mais uma vez essa filha tua não fugirá da luta. (...) Viva o povo brasileiro !

O brado retumbante e patriótico da presidenta Dilma, pronunciado no discurso ao fim da eleição, reflete e se coaduna também com as incisivas palavras ditas sobre o combate à corrupção e na afirmativa disposição de aplicá-la, como declarado com ênfase: “doa a quem doer”, além de estar acompanhada da taxativa declaração sobre a pretendida e necessária reforma política, cujos desmandos imorais e a deturpação legal são aplicados por métodos antiéticos e imorais, constituindo-se indiscutivelmente no motivador e causador da prática criminosa da corrupção eleitoral e política, como se vem praticando abertamente no Brasil, desde a proclamação da República, e que, infelizmente, se desenvolve cada vez mais e de forma cavilosa e alarmante até os dias de hoje, como se constata vergonhosamente em todas as eleições.

Que a intenção e os benfazejos propósitos da presidenta Dilma Roussef se realizem e que as esperanças da maioria da Nação, que votou na continuação do seu novo governo, se realizem e se concretizem para o bem do País.