Entrar

Esqueci minha senha

Cadastro


Nossa meta foi alcançada

Edição nº

68

05 de março de 2006

Nossa meta foi alcançada

Câmara dos Deputados em decomposição
     Na edição de janeiro último o nosso editorial abordou o tema: “Congresso Nacional em desmoralização”, com o qual, e o terrível libelo e exemplificante verrina, denunciamos as continuadas práticas do nauseabundo tráfico de votos, escabroso favorecimento mercantilizado através de propinas e deslavada corrupção, além de acentuar as debochadas confissões de deputados feitas publicamente pela televisão, deixando a população atônita e revoltada com tanta safadeza.
     No mesmo editorial denunciamos o corporativismo execrável, inocentando parlamentares comprovadamente corruptos, confessos e indignos do mandato popular, fazendo com que a população se sentisse frustrada e fraudada com tanta escroqueria, e conseqüentemente provocando, além da repugnância pelos escabrosos atos de desfaçatez, a efetiva demonstração que a maioria não estava honrando a representação popular que jurou cumprir.
      O chamamento cívico do referido editorial – considerando que a Revista é enviada regularmente e sem qualquer ônus, desde sua fundação em junho de 1999, aos 513 deputados e 81 senadores -, objetivava a conscientização da obrigação do dever, além do cumprimento e respeito aos princípios morais, éticos e de dignidade que o mandato impõe e exige dos mandatários, os quais, na ocasião da posse  na Câmara dos Deputados, juraram obedecer e cumprir.
     Entretanto, lamentavelmente, enquanto uma parcela minoritária dos deputados recusava receber e outros procederam a devolução do malfadado subsídio, a maioria deles, demonstrando efetivo desprezo aos princípios da moralidade pública, além de desconsiderarem a repulsa da opinião popular ficaram com ouvidos moucos, não se abalando aos efeitos e sentido da rudeza do causticante libelo.
     Infelizmente, o que era previsível e se tentava evitar aconteceu. Na fatídica data de 8 de março, a Câmara se aviltou, se desmereceu e entrou em decomposição; dois dos comprovados deputados e confessos delinqüentes da honra, da ética, da dignidade e do pudor, foram absolvidos pela maioria escandalosamente corporativista.
     Com tristeza o apelo final do citado editorial foi em vão: defender a honra do mandato ou cair na infamante desmoralização. A Câmara lamentavelmente optou pelo pior.
     No entanto, há que ressalvar aqueles dignos e honrados deputados, que não se curvaram ao compadrio e votaram com honra , respeito à Instituição, preservando a moral e a dignidade do mandato.
     Apesar disso, do asco e da podridão produzida na fatídica sessão, não é de se desesperar, de se desiludir, pois nem tudo está perdido. Restam cerca de 200 deputados que nos deixam a esperança da reversão da triste e lamentável situação. Existe, ainda, uma tênue luz no fim do túnel, que fatalmente acontecerá nas eleições de 1º de outubro, quando os eleitores por certo praticarão pelo voto a expulsória dessa maioria desprezível que envergonha a Câmara dos Deputados.
Orpheu Santos Salles
Editor