Entrar

Esqueci minha senha

Cadastro


Presidenta de todos os brasileiros

Edição nº

126

05 de janeiro de 2011

Presidenta de todos os brasileiros

Compromisso com as liberdades
 
 
“Reafirmo meu compromisso inegociável com a garantia
plena das liberdades individuais; da liberdade de culto e da religião;
da liberdade de imprensa e de opinião.
Reafirmo que prefiro o barulho da imprensa livre ao silêncio das ditaduras.”
Dilma Rousseff – Presidenta da República
 
     Nunca antes na história do Brasil, desde a proclamação da República em 1889, nenhum dos presidentes, do marechal Deodoro da Fonseca ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva, se pronunciou de forma tão peremptória em defesa e a favor das liberdades como a presidenta Dilma em seu discurso de posse.
 
     Declaradamente e de público, corajosamente e sem subter­fúgios, após ter prestado o juramento constitucional perante o Congresso Nacional, definiu os planos, o rumo, as diretrizes e a ação que pretende imprimir e aplicar durante o seu governo. Tratou de todas as atividades da Nação e abordou-as dando ênfase às questões sociais, principalmente à erradicação da miséria e da fome.
 
     Afirmou governar com os partidos que se coligaram e garantiram a vitória nas urnas, mas assentou com veemência: “Serei rígida na defesa do interesse público. Não haverá compromisso com o erro, o desvio e o malfeito. A corrupção será combatida permanentemente, e os órgãos de controle e investigação terão todo o meu respaldo para atuarem com firmeza e autonomia.”
 
     O seu passado de lutas e sacrifícios, os percalços sofridos, o enfrentamento ideológico contra as forças da ditadura, as sofridas prisões por cerca de três anos e as violências e torturas por que passou enrijeceram e formataram o seu caráter, abonando a sua conduta e dando crédito e segurança para declarar e afirmar os princípios que vai cumprir no governo.
 
     A caminhada da sua formação política e ideológica, da adolescência até o se livrar da prisão e ingressar na vida política partidária, moldou a sua perspectiva de vida, fazendo da sua personalidade instrumento de trabalho e ação, como demonstrou nas altas funções administrativas que exerceu no governo do Rio Grande do Sul, no Ministério de Minas e Energia e na Casa Civil da Presidência da República.
 
     A credibilidade que logrou conquistar, profusamente demonstrada durante os oito anos nas funções exercidas no governo passado, serviu de respaldo e garantia para poder fazer as reiteradas afirmações no discurso de posse, cujos termos tanto impressionaram os que a ouviram – até mesmo os que não apoiaram a sua candidatura e votaram no candidato José Serra, como afirmou o nosso estimado membro do Conselho Editorial da Revista, professor Ives Gandra Martins, que, logo após conhecer o teor do discurso de posse, escreveu a matéria publicada na edição de novembro, na qual afirma o seu respeito à nova governanta, declarando: “E entendo que todos os brasileiros ‘não governamentais’ devem dar um voto de confiança à nova presidente sem abdicar do direito sagrado em uma Democracia de criticar tudo aquilo que entendam não dizer respeito aos interesses do País”.
 
     Da firme e positiva peroração da presidenta e do conglomerado de atividades governamentais a que se propõe fazer e aplicar, pode-se deduzir o sentimento amplo de liberdade proclamado por Dilma Rousseff, que se irradia por todos os setores, como enfatizou no discurso: “(...) disse, no início deste discurso, que eu governarei para todos os brasileiros e brasileiras. E vou fazê-lo. Mas é importante lembrar que o destino de um país não se resume à ação de seu governo. Ele é o resultado do trabalho e da ação transformadora de todos os brasileiros e brasileiras. O Brasil do futuro será exatamente do tamanho daquilo que, juntos, fizermos por ele hoje. Do tamanho da participação de todos e de cada um:
 
dos movimentos sociais;
dos que labutam no campo;
dos profissionais liberais; dos trabalhadores e dos pequenos empreendedores;
dos intelectuais;
dos servidores públicos;
dos empresários; das mulheres;
dos negros, dos índios e dos jovens;
de todos aqueles que lutam para superar distintas formas de discriminação.”
 
     O sentido amplo da liberdade proclamado pela presidenta se difunde e propaga numa dimensão incomensurável alcançando na sua plenitude todos quantos, carentes e necessitados, pobres e desassistidos, precisam da ação positiva do Poder Público para poder subsistir, pois, como no dizer de Dilma, “o ser humano não é só realização prática, mas sonho; não é só cautela racional, mas coragem, invenção e ousadia. E esses são elementos fundamentais para a afirmação coletiva da nossa nação.” E, sem dúvida, esses sentimentos estão arraigados à liberdade de não ter fome, não ter frio, ter moradia, ter ensino, ter emprego e possibilidade de constituir família.
 
     As plataformas política, administrativa e governamental alicerçadas no discurso da presidenta Dilma Rousseff deixam antever que, no seu governo, o compromisso com as liberdades são para valer.
 
     Positivamente, a presidenta Dilma Rousseff definiu no seu pronunciamento a formatação do governo como pretende governar o Brasil, que o destino lhe reservou como desígnio e propósito de se dedicar à prestação de serviços em benefício da Pátria.
 
Orpheu Santos Salles
Editor