Entrar

Esqueci minha senha

Cadastro


10
set1999

I Troféu Dom Quixote • Set. 1999

Compartilhar com

Magistratura do Rio de Janeiro homenageia os Ministros Carlos Velloso e Marco Aurélio Mello

Incorporando-se às festividades e homenagens prestadas pela magis­tratura do Rio de Janeiro aos presidente e vice-presidente do Supremo Tribunal Federal, Ministros Carlos Velloso e Marco Aurélio Mello, Jus­tiça & Cidadania, entregou a S. Excias. o troféu D. Quixote.

Nas homenagens prestadas aos ilustres Ministros e altos dignatários do Supremo Tribunal Federal, o idealizador da festividade, Desembargador Gilberto Rego, falou do seu significado, que mais que homenagens, representava e demonstrava 0 apoio do Poder judiciário do Rio de Janeiro aos Ministros Carlos Velloso e Marco Aurélio Mello.

O Presidente do Tribunal de justiça do Rio de janeiro, Desembargador Humberto Manes, disse da oportunidade da solenidade para demonstrar que o judiciário do nosso estado estava lado a lado com os homenageados, na defesa da respeitabilidade constitucional do Supremo Tribunal Federal e na firme repulsa aos malévolos intrigantes que pretendiam conspurcar o Poder judiciário.

A seguir, o Desembargador Gilberto Rego, concedeu a palavra ao nosso Diretor, que expressou as razões da entrega dos troféus D, Quixote aos Ministros Carlos Velloso e Marco Aurélio Mello, pela similitude de atitudes de ambos com a Figura legendaria criada por Cervantes, o fidalgo D. QUIXOTE DE LA MANCHA, face a igualdade de espírito de homens especiais como S. Excias., pelos feitos que realizam e pela destinação cívica, moral e ética a Qual dedicaram física e profissionalmente suas vidas na defesa firme e intransigente dos injustiçados e a equânime distribuição que fazem da justiça, na obstinada persuasão de encontrar o direito, com zelo, independência e a convicção do certo e do legal, como partícipes do idealismo poético, da obstinação concreta e ate visionaria na luta cotidiana do bem contra o mal, como praticou literalmente D. QUIXOTE DE LA MANCHA.

Ao Excelentíssimo Ministro Marco Aurélio mais que a sua posição de proeminente e culto magistrado, ocupante de curul na mais alta corte de justiça do país, as homenagens que se lhes prestam, reflete especialmente o reconhecimento a sua aprimorada inteligência ao zelo e firme defesa que pratica na independência intocável da plena liberdade nos pleitos que se lhes apresentam.

Ao Excelentíssimo Ministro Carlos Velloso Presidente do Egrégio Supremo Tribunal Federal, se louvam além dos predicados de cultura e inteligência, a habilidade e a postura do estadista, sereno equilíbrio, mas com o firme propósito de propugnar para que o judiciário seja cada vez mais forte, mais independente e mais respeitado.

E é em razão dos predicados e condições de S. Excelência, que lhes outorgam com dignificada honra, os lauréis do D. QUIXOTE DE LA MANCHA.

Agradecendo as homenagens, o Ministro Marco Aurélio Mello, se referindo a outorga recebida do troféu D. Quixote, declarou: “acabamos de receber uma distinção: um premio que nos confere a quadra vivida. E uma quadra que exige Dom Quixote. Exige aqueles que agem e combatem a apatia hoje relevada. Precisamos repensar o destino de nossa sociedade; precisamos marchar objetivando a proporcionar ao povo brasileiro, aqueles 30 milhões que vivem na absoluta pobreza e que nos fazem responsáveis pelo resguardo da própria dignidade do homem. E nesse campo, nos operadores do direito que somos responsáveis pela segurança jurídica devemos ser acima de tudo artífices da almejada justiça. Este encontro revela que ainda sonhamos com dias melhores”,

Encerrando a festividade, o presidente do Supremo Tribunal Federal, Ministro Carlos Velloso disse: “agradeço, eu e o Ministro Marco Aurélio, ao Desembargador Gilberto Rego por propiciar esta homenagem, cuja maior importância estava ressaltada pela expressividade e comparecimento dos magistrados do Rio de janeiro principalmente por considerar que esse Estado sempre foi o tambor de ressonância de tudo que ocorre no País Agradeço o troféu que nos foi oferecido pelo Dr. Orpheu Santos Salles e pela revista “justiça & Cidadania”. Dr. Orpheu o Quixote sempre foi o meu herói. Compreender o Quixote é muito importante, e compreender que todo nos estamos empenhados em salvar nosso povo, em salvar a nossa Nação Entender que somos os salvadores desta Nação, os salvadores deste País entender o Quixote as avessas.

Preferimos, portanto, que haveremos de salvar este País, e assim seremos fieis ao Quixote, Vamos luta para fazer deste judiciário brasileiro, um Poder cada vez mais independente, mais poderoso e mais respeitado, porque é o Poder judiciário quem garante o direito declarado.

“Os direitos declarados consistem uma realidade que se realiza no momento em que eles estão garantidos” Meus amigos, magistrados do mel

Advogados, estejamos unidos, sejamos uma só voz: unidos ninguém conseguira nos destruir, ninguém nos vencera.

Esta belíssima festa, que os juízes do Rio de janeiro nos oferecem, ao Ministro Marco Aurélio e a mim demonstra que estaremos unidos e que ninguém conseguira destruir a espinha dorsal do Poder judiciário brasileiro