Os juízes não são vagabundos

Compartilhar com

Os juízes federais do Brasil sempre defenderam a transparência nos atos da administração pública e os princípios constitucionais que devem pautá-la: legalidade, impessoalidade, moralidade, publicidade e eficiência (art. 37, CF/88).

A ação institucional da AJUFE, no Congresso Nacional, defendendo a elaboração de leis mais rígidas no combate à corrupção, ao nepotismo, à lavagem de dinheiro, à sonegação fiscal e à improbidade na administração pública, é uma constante e um fato histórico. Para não falar na campanha nacional capitaneada pela AJUFE defendendo o fim do foro privilegiado.

Foi com esse princípio de atuação que, no ano de 2004, a AJUFE defendeu a criação do Conselho Nacional de Justiça, com a aprovação da EC 45, para que se realizasse o controle externo do Poder Judiciário. Esta é uma praxe que ocorre nas democracias consolidadas que realizam um controle público e social sobre a Magistratura, o Ministério Público e a Advocacia pública e privada.

Naquele ano pleiteamos institucionalmente também a criação do teto remuneratório moralizador do serviço público – que deveria ser revisado anualmente – para acabar com os supersalários vigentes à época. A referida medida moralizadora foi inserida no art. 37, incs. X e XI, da Constituição Federal, também pela EC 45, e tem sido cumprida pelos Tribunais e feita cumprir pelo CNJ. Essa medida gerou uma economia de bilhões de reais para os cofres públicos nos últimos anos.

Na época, a AJUFE foi duramente atacada por setores mais reacionários da sociedade por defender tais medidas nitidamente anticorporativas e de resguardo da moral, da ética e do equilíbrio fiscal do Estado.

Pois bem, a AJUFE defende todas as atribuições do Conselho Nacional da Justiça previstas no art. 103-B da Constituição Federal, sendo absolutamente contra a supressão total ou parcial de qualquer uma delas. Em especial, os juízes federais entendem que o CNJ tem o poder-dever de realizar investigações com competência originária e concorrente com as corregedorias dos Tribunais locais para evitar a impunidade. No mesmo sentido, também é totalmente favorável às atribuições da Corregedoria Nacional de Justiça previstas no § 5o, incs. I, II e III, do mesmo artigo.

Todavia, a Corregedoria Nacional de Justiça deve observar rigorosamente o Regimento Interno do Conselho Nacional de Justiça e esta, como qualquer órgão da administração pública, precisa respeitar as garantias constitucionais do devido processo legal e do sigilo de dados, que não é absoluto, e pode e deve ser quebrado para investigação criminal por ordem judicial (art. 5o, incs. LIV, LV e XII). Essas garantias constitucionais não são apenas dos juízes, mas de todo o cidadão brasileiro.

É com esse enfoque exclusivo que a AJUFE debate técnica, serena e objetivamente, em defesa da supremacia da Constituição, ações específicas da Corregedoria Nacional de Justiça, e não do CNJ, no âmbito do Supremo Tribunal Federal que deverá dar a última palavra como guardião de nossa Magna Carta (art. 102).

Discursos marcados pela retórica populista e o palavrório genérico e vazio não podem impressionar a sociedade. Os juízes federais brasileiros “não são vagabundos” e estão longe de serem “bandidos de toga”.

Dos 62 juízes investigados por movimentações atípicas, em um universo de mais de 22 mil, nenhum é magistrado federal. Ao contrário, os magistrados federais são operosos, cumprem as metas de produtividade do CNJ e exercem com honradez o sacerdócio da toga. Aqueles casos isolados que ao longo da história ocorreram na magistratura federal sempre foram punidos e o serão não apenas pelo CNJ, mas especialmente pelo próprio Judiciário federal, que é implacável quando se trata de cortar na própria carne.

É importante lembrar que a insensatez e as genera­lizações levaram a barbáries coletivas, com respaldo da opinião pública, ao longo da história da humanidade, como a Santa Inquisição, que matava em nome de Deus; a “era do terror” e a “guilhotina”, durante a Revolução Francesa; o massacre de 6 milhões de judeus durante o nacional-socialismo, na Segunda Guerra Mundial e, talvez, o caso mais emblemático: o julgamento popular de Jesus Cristo que, condenado, foi crucificado no meio de dois ladrões.

A AJUFE, ao mesmo tempo em que defende a transparência na Administração Pública, luta por um Judiciário independente como pilar fundamental do regime republicano e do Estado Democrático de Direito, como previsto na Constituição Federal de 1988 (art. 2o).

Cor da Pele (skin)
Opções de layout
Layout patterns
Imagens de layout em caixa
header topbar
header color
header position
X