Edição

A roda continua a girar

13 de janeiro de 2020

Compartilhe:

Seja no tarô, na filosofia budista ou nos estudos psicanalíticos, a chamada “roda da fortuna” remete aos altos e baixos de nossa existência. Preconiza mudanças drásticas, sejam elas positivas ou negativas. Nos mostra que a vida, ainda bem, não segue um caminho linear. É símbolo inequívoco da lei de “causa e efeito”. É ainda, na mitologia grega, uma referência às deusas que teciam e cortavam o fio da vida, uma metáfora para os ciclos pelos quais passamos. Para o bem ou para o mal, a roda da fortuna continuará sempre, eternamente, girando.

Para muitos, as voltas que essa roda deu em 2019 não trouxeram boa fortuna. Com frequência, ouvimos comentários sobre como esse foi um ano difícil e marcado por fatos que impactaram negativamente nossas vidas. Sem dúvida, podemos contabilizar grandes perdas humanas em tragédias como a de Brumadinho (MG) e o incalculável prejuízo ambiental trazido pelos incêndios na Amazônia Legal – catástrofe que também afetou a Austrália. Em 2019, também nos despedimos de personalidades públicas das artes e da cultura; do jornalismo e da comunicação; da política e da religião, gente que fazia a diferença no mundo. Assim como perdemos centenas de vidas anônimas, pessoas que faziam a diferença para suas famílias.

Foi o ano em que o Brasil assistiu uma completa transformação em sua liderança política, com a eleição do presidente Jair Bolsonaro, fazendo crescer as expectativas em torno das boas mudanças no cenário econômico de um país castigado pela crise e pelo desemprego. Foi também um período marcado por crises na América Latina, bem como por conflitos e forte tensão no Oriente Médio.  Instabilidades na Europa, com o impasse do Brexit, no Reino Unido; a disputa eleitoral na Espanha; e a revolta contra a reforma previdenciária na Franca. Não ficou de fora nem mesmo a China, com violentas manifestações contra a política interna. Foi, ainda, o ano em que a figura política mais poderosa do mundo, o presidente norte-americano Donald Trump, se viu inserido em um processo de impeachment.

A roda da fortuna trouxe profundas mudanças e seguirá em seu giro interminável. Nesse movimento, há que se observar também as transformações positivas que vêm ocorrendo. E elas estão toda parte: na medicina, na pesquisa científica, nos esportes, na inclusão, na derrubada de preconceitos e na postura cada vez mais consciente de pessoas que adotam atitudes de respeito e solidariedade para com o próximo.

No Judiciário, o trabalho foi marcado por fatos importantes como a decisão sobre a prisão de condenados em Segunda Instância; o entendimento da homofobia como crime inafiançável equiparando-o ao racismo no que se refere às penalidades legais; a definição da competência dos crimes de “caixa dois”, que passam a ser julgados pela Justiça Eleitoral; a decisão que proíbe a grávidas e lactantes o trabalho em condições insalubres; entre outras medidas importantes.

E foi este trabalho que nós, aqui na Redação, procuramos apresentar aos nossos leitores. No ano em que o Instituto Justiça & Cidadania  completou uma década de atuação e a Revista Justiça & Cidadania celebrou 20 anos de circulação ininterrupta, realizamos a 29ª edição do Troféu Dom Quixote de La Mancha, que segue prestando reconhecimento aos defensores da justiça e da cidadania. Também lançamos duas publicações históricas, que celebram os 410 anos do Tribunal de Justiça do Estado da Bahia e os 30 anos do Superior Tribunal de Justiça. Foi um período de importantes eventos de âmbito internacional por nós realizados, como o V Encontro de Magistrados Brasil-EUA, nos Estados Unidos;  e a segunda edição do seminário “New Trends in the Common Law – Inteligência Artificial, Análise Econômica do Direito e Processo Civil”, em Londres. Aqui no Brasil realizamos o “I Simpósio A Crise das Empresas: Direito Empresarial em Perspectiva”, em parceria com o IMB, no TJRJ; o “I Seminário sobre Segurança Jurídica em Investimentos no Rio de Janeiro”, em parceria com a Cedae, no Palácio Guanabara; e no STJ, o “2o Seminário Jurídico de Seguros”, em parceria com a CNSEG, e o “I Seminário Medidas Extrajudiciais para a Desjudicialização”, em parceria com a Febraban e o IEPTB.

Ademais, trouxemos informações amplas sobre as mais recentes mudanças no Direito, os eventos e decisões que contribuirão, direta ou indiretamente, para que a roda da fortuna gire de modo cada vez mais auspicioso e justo.  É possível prever o que está por vir? Certamente não, mas projetamos um ano de importantes eventos e reportagens sobre o mundo jurídico. Se a roda segue a lei da causa e consequência, que em 2020 seus movimentos sejam impulsionados cada vez mais por atitudes lúcidas, prósperas, perspicazes e generosas, trazendo um futuro mais prolífico para todos.

Assine nossa newsletter e receba a nossa revista digital, em primeira mão, no seu e-mail

Voltar ao topo